4 Desafios da Era de Visualização

visualização

Hoje em dia o mundo está “cheio” de todo o tipo de dados. Com tanta informação de uma tão vasta gama de fontes, compiladas diariamente, temos de ser capazes de a processar e analisar rapidamente. Também queremos informação e conhecimento imediato, e esta está quase a deteriorar-se pela sua disponibilidade imediata. Ao mesmo tempo vivemos numa era onde tudo é comprimido em pedaços ainda mais pequenos: através do Twitter, de mensagens de texto, filmes de um segundo e outras ferramentas similares.

A questão é que queremos respostas agora e em “pedaços” maiores, por favor.

E esta tendência é vista cada vez mais também no domínio dos negócios.

Uma das suas manifestações é o “boom” na procura da visualização de dados 2.0, que é caracterizada pela auto manutenção, escalabilidade, interactividade e caracter analítico. Mas isto traz os seus próprios desafios.

Rápido, mais rápido, agora!

Nos últimos anos, temos assistido a uma transformação no Business Intelligence (BI). Hoje, ninguém se pode dar ao luxo de esperar semanas ou meses pela compilação de um relatório. A abordagem tradicional, muitas vezes vista como obsoleta, confiava estas tarefas ao departamento de IT, para ser processada numa base de “first come first serve”, muitas vezes demorando muito tempo, devido ao elevado nível de exigências. Mas mais de metade dos entrevistados (57%), num estudo realizado pelo TDWI indicaram que um catalisador para a introdução de uma plataforma de self-service BI era o desejo de se afastarem deste modelo.

Ao invés, hoje em dia, os analistas têm de ser capazes de adicionar rapidamente novos dados, definindo hierarquias de dados, e equilibrando os conjuntos de dados detalhados e agregados.

Interactivo e Versátil

Outro factor que molda as expectativas do BI é um substancial crescimento ao nível da consciência analítica entre os executivos de negócios.

Directores de empresas e membros do conselho estão agora mais aptos a fazer pedidos precisos para estatísticas complexas. Também esperam ver apresentações atractivas em diferentes alturas, noutros segmentos de negócio, ou áreas geográficas e que sejam capazes de os interrogar.

Ao escolher uma barra, um painel de instrumentos ou um ponto, eles esperam ser capazes de prosseguir com uma análise detalhada e suplementos como tabelas e gráficos com notas, ou partilhar as suas ideias com os outros.

E se precisarmos de uma nova abordagem de dados? Ou uma nova abordagem entre visualizações? Os executivos também esperam que mudanças como esta sejam possíveis de imediato.

O conhecimento não chega. É tempo para uma analítica/análise previsível.

O verdadeiro valor do trabalho de análise, incluindo a análise visual, não é a sua capacidade de descrever e avaliar os acontecimentos passados. É verdade a sua possibilidade de prever e antecipar fenómenos chave de negócios. As empresas não querem apenas o sumário do resultado das vendas, processo logístico, análises de eficiência e relatórios de perdas de clientes.

Elas também querem previsões de vendas, previsões de saídas de stock e análise de risco de perda de clientes. Os modelos temporais, árvores de decisão e análise de correlação ou regressão, não são mais do que ferramentas só para alguns.

Os utilizadores de negócios estão a tornar-se cada vez mais conscientes. Eles estão mais que aptos a ler e compreender simples visualizações na forma de gráficos lineares, gráficos de decisão ou matrizes de valor coloridas. O suporte analítico tem de ser mais democratizado. Por outras palavras, os produtos analíticos deveriam ser amplamente utilizados em relatórios e estatísticas.

Múltiplos dados, muitos utilizadores – estás preparado?

Quando implementámos as soluções de Visualização de Dados do SAS, com frequência notámos que os nossos clientes esperavam que estas ferramentas de visualização facilitassem o seu dia-a-dia no processo analítico. As boas noticias é que as novas ferramentas  tendem a espalhar-se muito rapidamente pelas organizações.

Portanto, logo após a implementação inicial, deveríamos ver o surgimento de novas equipas de negócios, atraídas pelos benefícios do BI em self-service. Estará a sua plataforma pronta a suportar estes utilizadores? Mesmo que seja em termos da sua eficiência, quais seriam os custos deste suporte?

Uma solução nominal grátis pode ultrapassar o orçamento se tiver que pagar por cada utilizador. Uma implementação barata pode tornar-se uma armadilha conduzindo a custos muito elevados. A nova era da visualização requer muita mais do que só um gráfico atrativo ou representações infográficas. Há séculos que eles existem. Se eles existem para facilitar a tomada de decisão, as ferramentas do BI self-service exigem uma ampla gama de funcionalidades nas 4 áreas descritas.

Kamil KonikiewiczKamil Konikiewicz

Kamil é um Gestor de Equipa de Analíticas com 10 anos de experiência, obtida em inúmeros projectos para clientes polacos e globais.

Deixar uma resposta