Análise de dados: a realidade

Análise de DadosO potencial da análise de dados é uma realidade cada vez mais vincada no mercado e nas empresas.
Maior conhecimento do cliente, personalização da oferta, maior rentabilidade e eficácia… são algumas das vantagens da sua utilização. No entanto isso é, para muitas organizações, um cenário futuro. Porque não é fácil passar de um cenário onde não há tratamento de dados (ou pelo menos não ao nível ansiado) para um onde se consegue tratar de tudo e extrair informação preciosa. Isto porque, antes de mais, a empresa tem de perceber que tipo de dado tem, monitorizar os processos necessários para a aquisição dos mesmos (por forma a assegurar a sua qualidade, que chegam em tempo útil, que são consistentes, relevantes e detalhados) e dotar os seus colaboradores da formação suficiente para saber trabalhá-los. Ou seja, antes de começar a pensar em ter uma estratégia baseada nos dados há, primeiro, que fazer uma análise do que existe, definir uma estratégia (faseada) e dotar as pessoas das técnicas.

É o chamado “fazer o trabalho de casa”. Algo que todas as empresas terão de fazer.
Para saber o ponto de situação da adopção da análise de dados e perceber se as organizações estão a levar a sério a preparação da estratégia a MIT Sloan Management Review e o SAS levaram a cabo um inquérito junto a mais de 2.000 gestores.

Os resultados demonstram que a maioria das empresas está na fase inicial da adopção da análise de dados. No entanto também revelou as dificuldades de quem já avançou nesta matéria. À medida que a ferramenta se propaga pelo mercado a vantagem competitiva das empresas que a utilizam começa a diluir-se. No entanto o optimismo mantém-se. Isto porque a sua utilização acarreta, sempre, um melhor conhecimento do próprio negócio e dos clientes.

Mas atenção. A vantagem competitiva proporcionada pela análise dos dados só é alcançada se houver um compromisso de mudança. Os players têm de perceber que o processo de decisão mudou. E que não é algo pontual. As empresas que já ultrapassaram esta fase tendem, depois, em utilizar a análise de dados através de todos os departamentos da organização. E principalmente na área da inovação. A razão é simples: permite medir os resultados dos esforços analíticos.

Mas nem tudo é “dourado”, diga-se, são facilidades. O estudo revelou que a maioria das empresas não estão preparadas para o investimento necessário e para a mudança cultural que são necessários para uma estratégia de análise de dados. Tudo começa no topo. Os gestores têm de actualizar a sua formação, ganhando novas valências. E, à medida que a ferramenta vai chegando a toda a organização, o mesmo terá de acontecer com os vários colaboradores. O investimento (em dinheiro e tempo) é pesado, mas, a médio longo prazo, compensa.

Para informações mais detalhadas pode aceder ao estudo “Beyond the Hyoe: The Hard Work Behind Analytics Sucess” AQUI.

Deixar uma resposta