Big Data = 4,4 milhões de novos empregos em 2015

453567905O big data é um dos “temas quentes” do momento. Quer pela quantidade de dados gerados diariamente e consequente necessidade de os analisar, quer pelo facto de isso estar a gerar oportunidade de negócio, diga-se novos postos de trabalho e, consequentemente, riqueza para a economia.

Mas se acredita que esta é uma tendência algo vaga desengane-se. Um estudo da Online Business School (OBS), apresentado no final do ano passado, revela que o volume de dados gerado pelos smartphones aumentará, 63% nos próximos quatro ano. É muito dado para processar.

E isto levará (já está a) a um maior investimento na criação de serviços de Big Data. Os valores apontados, para este ano, são de 132 mil milhões de dólares. Com um impacto directo na criação de 4,4 milhões de novos postos de trabalho, espalhados pelo mundo.

Em Portugal o estudo foi partilhado pela Teradata, que revelou que, apesar das empresas portuguesas reconhecerem o potencial o seu potencial, “a grande maioria ainda não utiliza soluções de Big Data.

Mas voltemos ao estudo e mais precisamente aos seus resultados. Sabia que nos últimos 10 anos foi criada mais informação que em toda a história da humanidade? E que se prevê que as ligações à Internet através de dispositivos móveis irão chegar às 10.200 milhões em 2018? Agora imagine uma nova realidade. Em que é criada uma nova moeda de troca. Os dados. Os seus dados. Isso já começa a ser visível. Já há empresas que a troco da partilha de dados pessoais oferecem algo aos utilizadores. Isto está a mudar a forma como as empresas encaram a promoção dos seus bens e serviços.

No mercado corporativo propriamente dito a OBS refere que o Big Data permitirá que o PIB da União Europeia crescerá 1,9% em 2020. Com o comércio, a indústria, a saúde, as comunicações, a banca, os seguros e a administração pública a serem os sectores onde o investimento será mais elevado. No entanto ainda há muito para fazer. Principalmente se a União Europeia quiser “apanhar” o mercado que lidera esta transformação: o Japão, com 49% das empresas a já terem implementado projectos de Big Data. Já os Estados Unidos da América e a Índia são os países que, actualmente, têm mais projectos em vias de.

As tendências Big Data para 2015

  • O Big Data irá gerar 4,4 milhões de empregos em todo o mundo
  • O investimento em serviços de Big Data será de 112.000 milhões de euros
  • O Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia irá crescer 1,9% até 2020, devido ao Big Data
  • Apesar de muitas empresas portuguesas ainda não utilizarem esta ferramenta, o número de empresas não tecnológicas em todo o mundo que utilizam soluções de Big Data vai duplicar
  • 79% Das empresas acreditam que estas soluções vão melhorar o processo de tomada de decisão, 58% acredita que será um factor determinante para o sucesso e 36% confessam já estão a tirar partido das vantagens competitivas destas soluções
  • As PMEs irão investir mais de 67.000 milhões de euros em Cloud Computing, a nível mundial
  • Dentro da empresa, o Big Data é utilizado principalmente nas decisões estratégicas, com 78% da utilização, seguido dos departamentos de Marketing e Comunicação, 73%. Os departamentos de TI, Desenvolvimento de Produtos e o Serviço ao Cliente apresentam percentagens superiores a 62%, enquanto que a área que menos utiliza as soluções de Big Data são os RH, com 43%
  • Os maiores investimentos em soluções de Big Data serão realizadas nas áreas do Comércio, Indústria, Saúde, Informação e Telecomunicações, Banca e Finanças, Seguros e Administração Pública
  • O tráfego de dados gerado através de smartphones crescerá 63% nos próximos 4 anos e a tecnologia M2M (Machine-to-Machine) irá gerar um aumento de 113% dos dados, por isso agora mais que nunca o valor dos dados é incalculável

Deixar uma resposta