Data for Good: Analíticas para combater o tráfico humano

É um dos flagelos do século – o tráfico humano. Seja de crianças para trabalho inapropriado, seja de mulheres para a prostituição. É algo que ocorre por todo o mundo, com movimentações levadas a cabo por grupos bem organizados e que movimenta muitos milhões de euros.

Tom Sabo, Principal Solutions Architect no SAS, deparou-se com este tema quando a escola da sua região publicou um artigo com o título “World Slavery: The Terrors Our World Tries to Forget” e resolveu usar a tecnologia ao seu dispor para investigar o tema do tráfico humano e analisar os dados e identificar potenciais soluções. Com base em relatórios disponibilizados pelo Departamento de Estado dos EUA, Tom e o seu colega Adam Pilz desenvolveram uma abordagem que permite avaliar os relatórios puramente textuais descobrindo padrões.

Tendo por base o SAS Visual Text Analytics a dupla conseguiu:

  • Extrair padrões no tráfico entre países;
  • Identificar as vítimas de tráfico (homens, mulheres, crianças);
  • Identificar os tipos de tráfico (trabalho, sexo);
  • Determinar se os países em questão estão a (tentar) resolver o problema.

O resultado final foi um conjunto de dados que pode ser analisado de uma perspectiva geoespacial. E este pode ser um primeiro passo para algo maior e mais aprofundado já que, explica Tom, a plataforma pode ser aprimorada com outros dados, como os das redes sociais ou mesmo dados sobre conflitos armados. A interligação entre todos estes dados permite uma obtenção mais correcta e realista das ligações entre países.

Olhando numa outra perspectiva é igualmente possível detectar outros padrões como migrações, o que permitiria ajudar os governos e entidades não governamentais a ajustar os seus programas e a ajustar os investimentos.

Este é um exemplo claro de como a tecnologia pode ser usada para ajudar a Humanidade ou, mais precisamente, para combater um dos seus flagelos.

Pode obter mais informações sobre este tema no paper “Using SAS® Text Analytics to Assess International Human Trafficking Patterns

Deixar uma resposta