Informação minuciosa para chegar ao Cliente certo

A Caixa Geral de Depósitos tira partido das soluções SAS há 15 anos. Como explica Paulo Semblano, da direcção de marketing do grupo, a informação analisada nos sistemas SAS permite despoletar “leads” (contactos de clientes) para as áreas comerciais. Os gestores de cliente completam a acção fazendo o contacto.

Em 2012 saíram da plataforma analítica usada pela Caixa 4,8 milhões de “leads” para 130 iniciativas de dinamização, que culminaram em 1,8 milhões de clientes-alvo endereçados pelos gestores. A informação é usada para dar eficiência a campanhas de angariação de recursos, como a venda de cartões, depósitos e outros produtos financeiros.

Nos últimos 2 anos a Caixa tem vindo a juntar informação de contexto às variáveis analisadas, para afinar a precisão da informação disponível e diminuir o tempo de reacção dos contactos a alterações do lado do cliente, uma estratégia com resultados positivos. Nas campanhas Near Real-time os indicadores médios ficam próximos dos 50%, contra os 3% obtidos nas campanhas tradicionais. Este sucesso, diz Paulo Semblano, resulta da boa combinação entre tecnologia e acção das equipas, aliada a bons processos. “Não é só necessário ter as melhores máquinas ou as melhores pessoas. É preciso ter os melhores processos”, refere.

In, Jornal de Negócios | 3 de Abril de 2013.

 

Deixar uma resposta