Inteligência artificial: ameaça ou oportunidade?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2045. Este é o ano, segundo alguns, em que as máquinas se tornarão autónomas. Mas as previsões de que isso implicará a perda de controlo dessas mesmas máquinas e a imortalidade dos seres humanos (passarão a ser híbridos) são, para Jean-Gabriel Ganascia, especialista em inteligência artificial, completamente infundadas.

No seu último livro – “O Mito da Singularidade” –  já nas bancas, o autor desmistifica a tradicional noção de que a “singularidade tecnológica” é a designação que se dá ao momento crítico em que a inteligência artificial prevalecerá sobre a humana.

Com uma linguagem descomplicada, embora formativa e explicativa (e uma pitada de humor à mistura), Jean-Gabriel Ganascia responde a questões como: “devemos temer a inteligência artificial?”, “irá a inteligência artificial prevalecer sobre a humana?” ou “conquistaremos uma forma de imortalidade transferindo as nossas mentes para supercomputadores?”.

“Mesmo que as consequências anunciadas da grande viragem tecnológica da humanidade pareçam, em simultâneo, surpreendentes e desagradáveis, e até chocantes para alguns, porque recusam a ideia de homem que gostaríamos de ter conservado acima de tudo, e ainda mais a liberdade humana a que muitos continuam ligados, não podemos, tendo em vista a legitimidade intelectual e social dos seus autores, repudiá-las a priori, sem um exame aprofundado. É a razão pela qual nos propomos, aqui, explicar os fundamentos sobre os quais afirmam repousar, antes de discutirmos os seus significados, a sua verosimilhança e as suas implicações éticas e políticas. Interessam-nos em especial o horizonte temporal que se adivinha por trás dessas promessas, os seus paradoxos e as estranhas perspectivas que abre.”

Como em todo e qualquer tema polémico existem sempre duas versões do mesmo assunto. Para os realmente interessados sobre o tema da inteligência artificial este é, claramente, um livro obrigatório. Porque confronta mitos e opiniões, porque é uma dissertação de um dos maiores especialistas mundiais sobre o tema e porque reúne inúmera bibliografia, procurando ter um papel explicativo e não fundamentalista. Um livro que procura pôr as pessoas a pensar, dando-lhes ferramentas para conseguirem ter uma opinião fundamentada.

Sinopse:

O momento crítico em que a inteligência artificial prevalecerá sobre a humana designa-se por «Singularidade tecnológica». Faz parte das novas buzzwords da futurologia contemporânea e a sua importância é sublinhada em numerosas previsões de gurus da tecnologia como Ray Kurzweil (chefe de projetos da Google) ou Nick Bostrom (da respeitável Universidade de Oxford). Alguns cientistas e investidores, como Stephen Hawking e Bill Gates, partilham estas perspectivas e manifestam a sua preocupação.

Ameaça à humanidade e/ou promessa de uma «trans-humanidade», este novo milenarismo não para de se expandir. As máquinas irão tornar-se mais inteligentes e mais poderosas do que nós? Estará no nosso futuro uma cibersociedade em que a humanidade será marginalizada? Ou conquistaremos uma forma de imortalidade transferindo o nosso espírito para supercomputadores?

Um livro importante e conciso sobre um tema de grande actualidade por um dos maiores especialistas mundiais em inteligência artificial.

Sobre o autor:

Jean-Gabriel Ganascia é professor na Universidade Pierre-et-Marie-Curie, onde desenvolve investigação sobre inteligência artificial no Laboratório Informático de Paris 6 (LIP6). Preside à Comissão de Ética do Centre national de la recherche scientifique e publicou diversas obras, entre as quais, o precursor L’Âme machine (1990).

Twitter: @Quecalcoatle

Inteligência ArtificialO Mito da Singularidade
Págs: 184
PVP: 15,50 €

Deixar uma resposta