Inteligência Artificial: o futuro começa agora

É sem dúvida o tema quente do Web Summit: a Inteligência Artificial (AI). Basta olhar para o programa do evento para constatar que o AI domina os palcos. Uma tecnologia que irá mudar… (diria mesmo, está a mudar), a forma como vemos e interagimos com o mundo. Mas que ainda está a dar os primeiros passos. O estudo “The Enterprise AI Promise: Path to Value” levado a cabo pelo SAS a executivos de 100 organizações europeias (onde se incluem empresas portuguesas)  revela isso mesmo.

Mas estar ainda numa fase inicial não significa falta de interesse por parte das empresas. Muito pelo contrário. O estudo refere que o que está a atrasar a implementação e disseminação da inteligência artificial não é o (des)interesse, mas sim a falta de competências no mercado. Algo tradicionalmente inerente a uma nova tecnologia.

Potenciar o crescimento, estar a par da concorrência e cortar nas despesas (através do aumento da eficiência) são as três principais razões que levam as empresas a implementar AI nas suas estruturas. No entanto os números revelam que apenas 20% têm uma equipa de cientistas de dados capaz de implementar e levar a cabo um programa de inteligência artificial. Os principais desafios apontados prendem-se com questões culturais (49%), com a integração de dados (26%) e com a falta de especialistas – diga-se cientistas de dados (26%).

Mas todos concordam que é algo irreversível. Mais dia menos dia a AI será uma realidade disseminada pelo mercado. Com as devidas consequências, nomeadamente uma melhoria da eficiência e da produtividade, através da optimização do negócio. Mas mais do que isso. A adopção da AI terá que obrigar a uma reconversão das pessoas, potenciando a melhoria das suas competências. E a razão é simples. Muitos dos trabalhos actualmente efectuados por pessoas menos qualificadas, passarão a ser realizados por robots.

Mas isso ainda vai levar tempo…. não. Na verdade, a expectativa dos inquiridos é a de que este cenário (inteligência artificial em pleno no mercado) se concretize no prazo máximo de 15 anos. Ontem no WebSummit fala-se mesmo de 10 anos…
Está (mentalmente) preparado para isso?

Pode obter mais informações no estudo The Enterprise AI Promise: Path to Value”.

 

Deixar uma resposta