Inteligência impulsionada pelo fogo – como pode fazer crescer a sua?

 

por Helge Rosebø

Grande parte da nossa existência consiste em fazer escolhas. De preferência as mais acertadas. A tomada de decisão baseada em provas é mais importante que a quantidade e tipo de dados e, ao estabelecer, na cultura empresarial, a tomada de decisão baseada em provas poderá utilizar todo o vasto potencial dos dados.

Acho a semelhança entre esta forma de pensar e a evolução da inteligência humana muito apelativa. Ao utilizar o fogo como uma tecnologia aumentámos a nossa inteligência. Como é que a sua organização pode aumentar a sua?
O fogo tornou-nos mais inteligentes

O fogo teve um impacto enorme nos nossos antepassados: forneceu não só um certo nível de conforto mas foi também utilizado para cozinhar alimentos. Carne cozinhada é mais fácil de digerir do que carne crua. Ao comer um bife cozinhado ao invés de carne crua o corpo dispende menos energia a digeri-lo. Menos energia dispendida a digerir significa mais energia para outras funções corporais. Resumindo, cozinhar contribuiu para o desenvolvimento da nossa inteligência e o resto é história. Somos a única espécie capaz de controlar o que nos rodeia. Estamos neste momento numa fase em que as tecnologias em permanente evolução podem até ultrapassar as nossas capacidades cognitivas.

O fogo foi a tecnologia revolucionária do passado, e a carne era a fonte de energia. A combinação de carne (dados), fogo (tecnologia) e cozinhar (processo) aumentou a nossa inteligência.

No atual panorama digital, como é que pode garantir que a sua inteligência cresce mais do que aquilo que o rodeia?
Ciência de dados

Aplicar a ciência de dados é para mim transformar conhecimento novo em melhorias de base. O desenho de Brendan Tierney dá-nos uma visão geral das competências e do processo que constituem a ciência de dados. Utilizo a imagem para visualizar mentalmente o seu significado. Pode utilizá-la para colocar os hypes em contexto relativamente a todo o bom trabalho e competências em que já está a trabalhar.

Isto leva-me também à conclusão que não existe uma varinha mágica de IA ou machine learning que fará com que todas as suas preocupações desapareçam. Na melhor das hipóteses tornarão o seu trabalho mais eficaz. A verdadeira magia acontece quando se combina, continuamente, competências no ciclo de vida dos problemas de negócio em permanente evolução.  Se souber que competência aplicar a que problema, FANTÁSTICO!

A verdadeira magia acontece quando se combina continuamente competências no seu ciclo de vida dos problemas de negócio em permanente evolução.

A ciência de dados poderá requerer programadores, estatísticos, analistas de negócios, especialistas em data warehouse e gestores de projeto. Tudo isto adiciona complexidade à execução. As realizações da sua equipa de ciência de dados deverão ser rápidas, ágeis, velozes e transferíveis para outras partes da sua organização. A sua equipa necessita de tecnologia que faça uma utilização eficaz das suas diferentes contribuições e competências. Poderá consistir numa combinação de open source e soluções de fornecedores. Seja como for, as suas equipas necessitam de ambientes técnicos onde o processo seja executado sem percalços. Quer seja durante o desenvolvimento, teste, QA ou produção. Não ter a tecnologia adequada tornará o processo menos eficiente. Como sempre, boa tecnologia apenas liberta o potencial, o resto é consigo e com os seus processos.

 

Em anexo alguns artigos relevantes:

  1. eBook: Visualização de dados: O Quê, o Porquê e o Como
  2. Estudo MIT Sloan: Beyond the Hype (Para além do hype): The Hard Work Behind Analytics Success (O trabalho árduo por detrás do sucesso da análise de dados)
  3. Resultados como um serviço – como o SAS pode trazer inteligência para as suas decisões?
  4. Avaliação de Gestão da MIT Sloan: The talent dividend (O dividendo de talentos)

Deixar uma resposta